Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Whatsapp

Notícias

Como realizar o sonho da casa própria mesmo em tempos de recessão?

15/06/16

Como realizar o sonho da casa própria mesmo em tempos de recessão?


Adquirir o imóvel próprio é o sonho da maioria da população. O período ruim da economia, a crise e o medo do desemprego desestimulam os possíveis compradores.  Mas é possível se programar para realizar a compra sem que falte dinheiro no ‘meio do caminho’. O planejamento de um financiamento pode gerar a economia de até 50% no valor do imóvel. 


Especialistas orientam que o consumidor para que o valor da parcela do financiamento não ultrapasse os 30% da receita da família. É preciso ainda ficar alerta para possíveis despesas indesejadas que podem aparecer como desemprego, gastos com saúde e manutenção de imóvel. 


Momento ideal
Não existe um momento ideal para comprar o imóvel. O ideal é que a pessoa não fique presa ao medo dos juros altos, já que em muitos casos é mais vantajoso comprar o imóvel próprio do que pagar aluguel. 


Sobrou dinheiro?
Em caso de sobrar dinheiro, muitas pessoas querem pagar parcelas adiantadas. Mas é importante ressaltar que a medida só vale a pena caso o comprador tenha dinheiro para três meses para as despesas familiares, além do que vai ser gasto nas próximas parcelas. Por exemplo, se o comprador pagar três meses adiantados e no quarto mês não tiver o dinheiro para as parcelas, o banco não vai facilitar. Isso também vale para o 13º salário, se você não tem verba planejada para possíveis imprevistos, não o use para pagar parcelas adiantadas do financiamento.


Não perca dinheiro no financiamento
O mercado atual oferece bons produtos em renda fixa, isentos de RH. Há também fundos de mercado que resultam em boa remuneração. É preciso analisar os objetivos e expectativas da pessoa interessada em fazer o financiamento.


Fiquei desempregado, e agora?
Se você ficou desempregado e não tem dinheiro para pagar as parcelas, em alguns casos o banco aceita a suspensão do pagamento por até três meses, nunca mais do que isso. Caso a saída seja a venda do imóvel financiado, você pode optar por vender a propriedade no valor de mercado e quitar o banco. No entanto, o ideal é que você tome medidas preventivas como guardar o equivalente a três parcelas do financiamento para casos de imprevistos, como a perda de emprego. 


Fonte: G1